Fauna e Flora dos Parques São Atrações para os Visitantes

By | February 17, 2011

Em caminhadas pelos 12 principais parques de Curitiba é possível encontrar 35 espécies locais de répteis, oito de anfíbios, 37 de mamíferos e 200 de aves. Essa rica diversidade está mapeada no Guia Fauna e Flora, elaborado pelo Instituto Municipal de Turismo, Universidade Livre do Meio Ambiente e Secretaria Municipal do Meio Ambiente. A intenção do guia é promover a educação ambiental e o ecoturismo de observação – atividade com origem nos safáris da África, e difundida em diversos países por profissionais, em competições, e por lazer.

Além de orientar o turista, a publicação também pode servir de roteiro para os moradores de Curitiba caminharem pelos parques com um olhar mais atento.



São cem páginas com as principais espécies de 12 parques: Bosque Alemão, Museu de História Natural (bosque do Capão da Imbuia), Bosque do Papa, Universidade Livre do Meio Ambiente, Jardim Botânico, Parque Barigüi, Parque das Pedreiras, Zoológico, Parque São Lourenço, Parque Tanguá, Parque Tingüi e Passeio Público.

No guia, os observadores são divididos em três categorias, o contemplador, que tem pouco conhecimento, mas adora observar a paisagem; o curioso, que já observa as espécies da fauna e flora, mas não sabe detalhes; e o aventureiro, que já pratica a observação de espécies e tem um conhecimento mínimo sobre eles.

A partir das categorias existem três tipos de trilhas, com graus de dificuldade diferentes. Também traz dicas sobre como evitar o impacto da poluição e a destruição das áreas verdes da cidade – não jogar lixo no chão, não perturbar a fauna local; e não arrancar pedaços das plantas.

Vantagens do ecoturismo de observação:

– Mínimo impacto ambiental

– Caráter educativo

– Não há limitação de faixa etária

– Proporciona renda para locais distantes ou de pouca atividade comercial

– Incentiva a indústria hoteleira e turística

– Dá emprego a guias, ecólogos, educadores

– Colabora com os princípios do desenvolvimento sustentável


Dicas para facilitar a observação da fauna e flora:

– Usar roupas com cores discretas, de tons suaves, e evitar o uso de objetos metálicos reluzentes

– Manter silêncio

– Andar com suavidade, permanecendo mais tempo parado em pontos estratégicos que em movimento

– O uso de binóculos maximiza a capacidade de identificação, já que algumas espécies se diferenciam por pequenos detalhes

– O horário mais propício para a observação da fauna é o nascer do dia ou o final do dia, momentos em que a busca por alimento e o deslocamento são mais intensos

– A vocalização é uma forma bem eficaz, principalmente na identificação de aves, mas depende de maior experiência por parte do observador

– A identificação de espécies vegetais leva em consideração: estruturas de reprodução, formas e características das folhas e caules, porte da planta, etc.

– No caso de observadores, a identificação torna-se mais fácil na fase reprodutiva, ou seja, quando a planta está florescendo

– O melhor método para identificação é através a comparação. Por isso é útil usar guias e a posterior comparação em diversos meios, como a internet e livros.